Igreja Evangélica Metodista Portuguesa

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Entrada Princípios Catecismo V - A Igreja e as Igrejas

V - A Igreja e as Igrejas

 

A Igreja são todos aqueles que na terra e nos céus foram chamados por Deus, mediante Jesus Cristo, para serem o Seu povo, e que participam da unidade dada pelo Espírito. O Espírito guia a Igreja e capacita os seus membros com variados dons, de modo a que eles se possam apoiar uns aos outros, se encorajem uns aos outros e sirvam o próximo com alegria. A Igreja universal toma a forma de congregações locais, onde a mensagem de Cristo recebida dos apóstolos é pregada, onde Deus é glorificado na celebração dos Sacramentos e outros actos de culto, e onde os cristãos partilham a vida cristã.

43. O que é a Igreja?

 

Sacramentos: ver 47, 48, 49

Efésios 4:1-6
1 Pedro 2:9-10
1 Tessalonicenses 1:1
Filémon 1, 2
1 Coríntios 14:26-32
Colossenses 4:15-17

Sobre a falta de unidade da Igreja: ver 50

43. Igreja: ver 63

44. Quem exerce o Ministério da Igreja?

Cristo ofereceu-se a Si próprio como servo ou ministro e abriu-nos o caminho para Deus (seu ministério sacerdotal). Todos os cristãos são chamados a continuar o ministério de Cristo servindo na Igreja e no mundo.
Pelo Espírito Santo Ele capacita-os com dons espirituais, para diversos ministérios, em benefício de toda a Igreja no seu serviço a todo o mundo.
Como todos os membros da Igreja partilham do privilégio e da responsabilidade do acesso directo a Deus, todos são chamados a trazer outros à relação pessoal com Ele, e a orar por todos. Isto é o que entendemos por "sacerdócio de todos os crentes".

44. Marcos 10:43-45
Efésios 4:7-16

1 Coríntios 12:4-31
Romanos 12:3-8

1 Pedro 2:9
João 13:12-17
Hebreus 13:15-16

Ministério / Serviço: as palavras mais frequentemente usadas no Novo Testamento são aquelas usadas também para as pessoas que serviam às mesas.

45. Como é exercido o Ministério da Igreja?

O Ministério da Igreja é exercido quando os cristãos respondem à chamada de Deus e descobrem e usam os dons que o Espírito Santo lhes deu. Algumas chamadas são marcadas por actos de ordenação da Igreja, quando aqueles cujas vocações foram provadas são confiados à ajuda de Deus. Entre eles está o ministério ordenado para a Palavra e os Sacramentos. Quer a sua chamada tenha sido ou não reconhecida por uma ordenação, todos os cristãos partilham do serviço para o qual a Igreja é chamada.

 

Nota: O ministério ordenado é apenas um dos muitos ministérios reconhecidos pelas Igrejas. Nem todos estes ministérios são reconhecidos pela ordenação: por exemplo na Igreja Metodista Pregadores Leigos, professores de Escola Dominical, dirigentes de juventude e visitadores pastorais são reconhecidos e comissionados de diferentes maneiras. Há também ministérios práticos e administrativos que frequentemente não recebem um reconhecimento.

Ver Doutrinas Básicas

45. Romanos 12:3-8
Actos 13:1-3 1
Timóteo 4:14

46. O que é o culto a Deus?

Cultuar é proclamar com alegria, no poder do Espírito, os actos maravilhosos de Deus e celebrar a Sua natureza gloriosa. Adoramos Deus, não só em actos formais ou informais de culto, mas também com as nossas vidas, servindo-O ao servirmos os outros.

46. 2 Crónicas 5:11-14
Apocalipse 4; 15:3-4
Salmos 134, 136, 138, 150
1 Pedro 2:9-10
Romanos 12:1-2

Nota: O culto pode incluir silêncio, drama, música, dança e várias formas de arte.

47. O que são os Sacramentos?

Os Sacramentos revelam e proclamam o que Deus fez pelo mundo em Jesus Cristo e distribuem o seu benefício pela comunidade dos crentes. São sinais da nossa fidelidade a Deus. As Igrejas protestantes reconhecem dois Sacramentos: Baptismo e Ceia do Senhor.

47. Mateus 28:19

1 Coríntios 11:23-25

Nota: a palavra latina sacramentum significava um juramento de lealdade de um soldado, e também um rito sagrado.

48. O que é o Baptismo?

O Baptismo aponta para a vida a ser vivida. Proclama a graça que, na nossa condição de desamparo, nos foi mostrada em Cristo, pelo Pai; o perdão e purificação do pecado, o fim da velha vida de pecado na associação do Baptismo com a morte de Cristo e o renascimento por meio do Espírito Santo para a nova vida em Cristo.

O Baptismo insere-nos no Povo de Deus, proclama para nós a salvação prometida por Deus e a participação na chamada sacerdotal dos Seus filhos.

O Baptismo requer de nós uma resposta de arrependimento e de fé em Cristo como Senhor e Salvador. É normalmente efectuado por aspersão, aspergindo o candidato em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Excepcionalmente poderá ser ministrado por imersão.

É ministrado às crianças, em antecipação duma resposta posterior; a um jovem ou adulto, quando não baptizados na infância, em reconhecimento da resposta já dada pela fé à graça de Deus.

 

Romanos 6:1-14
Colossenses 2:2
Actos 2:38-39; 10:44-48; 8:36-38
Mateus 28:19-20

Nota: Em tradições como a nossa que praticam o Baptismo infantil, a oportunidade de uma resposta pública é possibilitada no ritual da Profissão de Fé ou Confirmação.

48. João 3:5-8

49. O que é a Ceia do Senhor?

Na Ceia do Senhor, Jesus Cristo está presente e dá-se, a Si mesmo, ao Seu povo como seu Senhor e Salvador. Ao comerem o pão e beberem o vinho, mediante o poder do Espírito Santo, eles recebem-no pela fé e com acção de graças. Dão graças com toda a Igreja pelo sacrifício feito por Cristo de si próprio uma só vez e por todos na cruz. A Ceia do Senhor recorda a Última Ceia de Cristo com os discípulos. Proclama a paixão, morte e ressurreição de Cristo, une os participantes consigo e assim eles são um sacrifício vivo nele, e dá-lhes uma antecipação do seu banquete celestial.

49. Marcos 14:22-26

1 Coríntios 10:16; 11:23-29

Nota: Alguns cristãos chamam à Ceia do Senhor "A Eucaristia", a partir do verbo grego, eucharisto, que significa "Eu dou graças". É também chamada Sagrada Comunhão, porque nós todos participamos juntos em Cristo.

50. Por que é que existem várias Igrejas?

A Igreja na terra é uma instituição social, humana, que como tal partilha como outros grupos afins, da necessidade de realizar a sua identidade, de se proteger a si própria contra ameaças, e de obter e controlar poder. Desde o tempo do Novo Testamento isso conduziu ao conflito, separação e hostilidade.

Velhas divisões históricas, contudo, estão a enfraquecer e o século XX assistiu ao surgimento, sob a condução do Espírito Santo, de organismos ecuménicos, tais como o Conselho Mundial (ou Ecuménico) de Igrejas, no âmbito dos quais as diferentes Igrejas podem trabalhar conjuntamente.

 

1 Coríntios 1:10-17

Notas: Desacordos entre Oriente e Ocidente começaram no séc. V. O Grande Cisma (separação) das Igrejas do Oriente e Ocidente deu-se em 1054.

A separação no Ocidente entre Igreja Católica Romana e Igrejas Protestantes da Reforma data do séc. XVI. Continuaram as divisões entre denominações não-conformistas desde o séc. XVII. As ênfases protestantes tradicionais têm sido: a autoridade suprema da Escritura; salvação pela graça mediante a fé; e o sacerdócio de todos os crentes.

50. Metodismo: ver Secção (VII)

V Estudo adicional

Ordem Litúrgica do Culto Dominical e Celebração Eucarística

Devocional

 

Leitura: Actos 20:25-38
Hinos: H.E. 190, 193

Oração: "Ó Deus Todo-Poderoso e Eterno, por cujo Espírito Tu governas e santificas o Teu povo fiel; ouve a nossa oração na qual colocamos todos os membros da Tua Igreja, para que cada um na sua vocação e ministério Te sirva em santidade e verdade, para glória do Teu Santo Nome, por Jesus Cristo Nosso Senhor e Salvador. Amém"

 

Registo

Registe-se para receber toda a informação actualizada.